[ONLINE] Universidade de Aveiro, Portugal

21, 22 e 23 de outubro de 2020

Um Estudo sobre o Clube da Escrita para Mulheres por meio da Observação Participante

Tatiana Carolina Lazzarotto
Luís Paulo De Carvalho Piassi

A escrita não está dissociada da experiência e das condições em que foi produzida, nem mesmo da vivência do sujeito e de seu reconhecimento na sociedade. Na literatura brasileira canônica, este sujeito produtor de enunciados muitas vezes tem um perfil: homem, branco, heterossexual, de classe média. Frente a uma tradição secular que sustenta que mulher não escreve, somente é escrita, a literatura torna-se um espaço privilegiado de expressão. A partir daí, cabe questionar onde estão as mulheres escritoras cujas narrativas não são reconhecidas pela literatura e como elas se articulam para afirmar seu espaço como escritoras. Esta pesquisa propõe um estudo de caso do Clube da Escrita para Mulheres – coletivo focado na produção de textos literários e discussão sobre as dificuldades no espaço formal da literatura – na cidade de São Paulo. O objetivo é analisar a importância de um espaço que articula mulheres escritoras e propõe resistência aos discursos hegemônicos da literatura. Pretende-se entender como este espaço possibilita que a produção literária seja protagonizada por agentes até então negligenciados. A pesquisa faz parte de uma dissertação de Mestrado em Estudos Culturais – ainda em andamento – e combina duas metodologias: observação participante e rodas de conversa com integrantes do grupo. As relações entre gênero, literatura e experiência são eixos temáticos abordados. A análise será realizada a partir de teóricos dos Estudos Culturais, Gênero e da Análise do Discurso.

Palavras-chave: literatura; gênero; experiência; Clube da Escrita para Mulheres.