[ONLINE] Universidade de Aveiro, Portugal

21, 22 e 23 de outubro de 2020

A “Imagem-Vampiro”: Uma ferramenta de análise de manipulação e violência em Espanha

Daniel Berjano Rodriguez

A “imagem-vampiro” refere-se a simulações tecnológicas enraizadas na modernidade cinematográfica que visam apagar e manipular as experiências das pessoas com a violência sistémica. Em primeiro lugar, recorro a Aníbal Quijano (2000), Teresa de Lauretis (1987) e María Lugones (2008) para apresentar certas intersecções entre os movimentos contra a “ideologia de género”, o racismo ocidental e os binários de sexo e género em relação ao contexto espanhol. Em segundo lugar, afasto-me da teoria cinematográfica de Gilles Deleuze (1989) para analisar dois filmes da Transição Espanhola como imagens-vampiro (Elisa, vida mía de Carlos Saura e Arrebato de Iván Zulueta) para fornecer alguns discernimentos sobre a identidade nacional espanhola. A imagem-vampiro destaca-se como uma ferramenta de análise que aponta para o poder penetrante do eurocentrismo e do binário sexual no Estado espanhol. Também pode contribuir para a exploração de violências interseccionais e novas estratégias de controlo que visam reprimir os movimentos sociais contra a destruição capitalista.

Palavras-chave: Transição Espanhola; ideologia de género; binário sexual; identidade nacional espanhola; imagem-vampiro.